Vacinação infantil: país não atinge metas e registra taxas abaixo da média global

Os dados indicam a maior queda contínua na vacinação infantil em 29 anos

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

A vacinação infantil no Brasil vem despencando nos últimos anos em relação a imunizantes essenciais como a BCG, a tríplice bacteriana e as contra a hepatite B e a poliomielite, todas com taxas de cobertura menores que médias mundiais, indicou o levantamento realizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF), divulgados na última semana.

Em relação a 2021, segundo o relatório global, levando em conta informações de 177 países, incluindo o Brasil, no mundo todo, os dados indicam a maior queda contínua na vacinação infantil em 29 anos. No Brasil, os números pintam um panorama diferente, mas não menos preocupante.

“É um quadro dramático. [Nesse relatório da OMS], nós estamos entre os 10 piores países do mundo em vacinação, ao lado do Haiti e da Venezuela, países que tem dificuldades econômicas enormes e não têm um programa tão organizado como o nosso”, declarou Carla Domingues, epidemiologista e ex-coordenadora do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A vacina BCG, que protege contra formas graves da tuberculose, no Brasil, a taxa de imunização da BCG vem caindo consideravelmente desde 2019, que segundo as estimativas da OMS e do UNICEF, a cobertura vacinal foi de 79%, a primeira vez em quase duas décadas que o índice foi menor que a taxa global de imunização.

Já em 2021, no segundo ano da pandemia, somente 63% das crianças receberam a vacina. Até 2015 essa taxa beirava os 100% no país

Sobre a vacina contra a hepatite Bque previne contra uma forma grave da hepatite, um tipo de inflamação no fígado que é provocada pelo vírus B da doença (o HBV), desde 2015 o país não alcança o patamar de 95% recomendado por especialistas.No último ano, esse número de vacinação despencou para 68%.

Este ano, segundo os últimos dados do Ministério da Saúde, a população-alvo atingiu uma cobertura vacinal de apenas 46% até o momento.

Já em relação à vacina contra a poliomielite, segundo dados da OMS e do UNICEF, desde 2016 o Brasil não alcança a faixa ideal para a terceira dose da vacina da pólio, aplicada a partir dos 6 meses de vida. Em 2021, esse índice foi de 61%.

Em 2022, segundo apuração do g1, a cobertura vacinal está em torno de 45%.

A vacina contra difteria, tétano e coqueluche, em 2021, segundo as estimativas da OMS e do UNICEF, registou a pior marca dos últimos 20 anos: cerca de 68%, enquanto o percentual recomendado deve beirar os 95%.

De acordo o Ministério da Saúde, até o último dia 22 de julho, a cobertura vacinal está em torno de 40%.

Deixe seu comentário