Campanha de Bolsonaro muda tática para arrecadação de doações

Ideia do PL é fazer encontros reservados com empresários capazes de fazer doações generosas

Foto: Divulgação/PL
Foto: Divulgação/PL

No projeto de reeleição do presidente, o PL e a coordenação da campanha de Jair Bolsonaro mudaram a estratégia de arrecadação de doações.

O plano inicial, que previa grandes encontros com empresários de diferentes setores, está sendo deixado de lado, e agora a proposta é fazer reuniões menores, com poucos convidados, ou até mesmo individuais, de modo a facilitar as conversas com os doadores.

De acordo com a coluna de Rodrigo Rangel, do portal Metrópoles, Valdemar tem se queixado do fluxo de doações. Ele esperava que, a esta altura, a campanha do presidente já tivesse obtido melhores resultados em seu esforço de arrecadação.

A ideia, agora, é tentar que o próprio Bolsonaro participe dos encontros com potenciais doadores — uma tarefa difícil, uma vez que ele resiste a se envolver pessoalmente nessa frente.

Quando não for possível ter Bolsonaro nas reuniões, o senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, e Valdemar da Costa Neto, presidente do PL, se encarregarão pessoalmente da tarefa. A mudança de tática foi alinhavada por Valdemar com os demais integrantes do núcleo político da campanha.

O comando da campanha aponta dois motivos para o baixo desempenho nas arrecadações até aqui. O primeiro é um tanto óbvio: o fato de Bolsonaro não estar pontuando bem nas pesquisas. O outro é que os empresários estariam segurando as doações na pré-campanha porque temem ser procurados de novo mais adiante e, assim, terem que contribuir duas vezes.

A convenção do PL que vai oficializar Bolsonaro como candidato à reeleição está marcada para este domingo, no ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro.

Deixe seu comentário